Regionais - Clima de desespero: produtores não sabem o que fazer com 150 mil perus - Notícias
(1) 2 3 4 ... 11059 »
Regionais : Clima de desespero: produtores não sabem o que fazer com 150 mil perus
Enviado por alexandre em 24/03/2017 00:46:03


Clima é de desespero entre os produtores de peru e frango de município goiano (foto: estadão)


A tensão que o embargo da carne causou em todo o País tem testado seus limites na pequena cidade de Mineiros, município de 60 mil habitantes a 450 quilômetros de Goiânia. O clima é de desespero entre os produtores de peru e frango do município, que abastecem o complexo frigorífico da BRF Perdigão, unidade que está com as portas fechadas desde sexta-feira, quando a Polícia Federal deflagrou a Operação Carne Fraca.

No entra e sai que há uma semana tumultua o escritório da Associação dos Avicultores Integrados da Perdigão em Mineiros (Avip), os produtores de aves buscam alguma resposta sobre o que será feito com os milhares de animais que já estão em fase de abate pelo frigorífico. “O que temos para dizer é simplesmente alarmante”, afirma Fábio Leme, vice-presidente da associação. “Estamos perdidos. Não temos nenhuma relação com as acusações, mas estamos aqui sozinhos, sem ter a menor ideia do que vai acontecer.”

A unidade da Perdigão de Mineiros é um dos três frigoríficos que tiveram suas linhas de produção paralisadas por determinação do Ministério da Agricultura, até que se apurem as eventuais falhas sanitárias investigadas pela Polícia Federal. Em operação regular até a semana passada, o frigorífico teve sua licença sanitária aprovada em fevereiro e vinha abatendo diariamente cerca de 25 mil perus, aves que são enviadas ao exterior, principalmente a países da União Europeia.

Com o fechamento da unidade, as 219 granjas do município travaram as atividades. Nos últimos seis dias, cerca de 150 mil perus que deveriam ter deixado os criadouros para serem abatidos na unidade da BRF tiveram de continuar no campo. Esse problema se agrava diariamente, não apenas por conta do volume de aves acumuladas, mas principalmente pelo peso que os animais passam a ganhar.

O limite do peso para abate de cada ave, segundo os produtores, é de até 25 kg. Em média, os animais, conhecidos como “peru pesado”, estão com cerca de 20 kg no momento do abate. Ao permanecerem nas granjas, eles ultrapassam 25 kg e não podem mais entrar na linha de produção por conta da configuração técnica da fábrica. Ou seja, não poderão ser processados pela unidade da Perdigão, além de não atenderem às exigências de boa parte dos compradores internacionais.

Nas fazendas de Mineiros, dentro de galpões ventilados 24 horas por dia e com temperatura mantida constantemente em 27 graus, há 4,3 milhões de perus em alguma fase de sua vida de seis meses até o abate. A produção no frigorífico é permanente e ocorre de segunda a sábado, o ano todo. Por dia, 25 mil aves deveriam seguir para a unidade de processamento, mas estão em cativeiro, e continuam a engordar. Por isso, cada dia de paralisação nesse processo gera um efeito em cascata em toda a cadeia.

As acusações que envolvem a unidade da BRF em Mineiros são de pagamento de propina a fiscais agropecuários para evitar o fechamento da unidade e facilitar a emissão de autorizações sanitárias. Dois funcionários tiveram prisão preventiva decretada e um vice-presidente foi alvo de condução coercitiva e busca e apreensão.

Regionais : Supremo rejeita recurso de Lula e investigações continuam com Sérgio Moro
Enviado por alexandre em 24/03/2017 00:41:42


Lula é réu no caso do sítio em Atibaia e do triplex no Guarujá, que, segundo o MPF, ele ganhou a titulo de propina.

O Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou nesta quinta-feira (23) um recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentado contra a decisão do ex-ministro Teori Zavascki,em junho de 2016, encaminhou as investigações sobre ele para o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela condução da Operação Lava Jato na primeira instância. A decisão foi unânime no plenário da Corte. Esta foi a primeira sessão da Corte com a presença do ministro Alexandre de Moraes.

As investigações devem apurar se Lula é ou não o proprietário do sítio em Atibaia e do triplex no Guarujá. ambos imóveis que receberam reformas supostamente custeadas pelas empreiteiras, Odebrecht e OAS, ambas investigadas na Lava Jato.

O pedido de Lula foi feito dentro de uma reclamação sigilosa no STF que estava há semanas na pauta de julgamento. A defesa do petista também solicitou que ação de Sérgio Moro fosse encaminhada para o Ministério Público, com o intuito de investigar a conduta do juiz federal do Paraná.

Em junho de 2016, o ex-ministro Teori invalidou parte da interceptação telefônica feita pela Lava Jato, entre Lula e a então ex-presidente Dilma Rousseff, por considerá-la ilegal, apontando que Moro usurpou a competência do STF ao autorizar os grampos.

Ainda como presidente da República, Lula arrecadou dinheiro para PT

Marcelo Odebrecht revelou compra de MP por R$ 50 milhões em 2009


As revelações de Marcelo Odebrecht sobre a corrupção nos governos do PT colocam de vez os ex-presidentes Lula e Dilma na chamada “cena do crime”, no esquema desmantelado pela Lava Jato. Ainda no cargo de presidente da República, Lula se encarregou pessoalmente de arrecadar dinheiro, inclusive no caixa 2, para a campanha de eleição de Dilma. As revelações de Odebrecht retomam a expectativa da prisão de Lula. Afinal, não há em Curitiba acusado de crimes mais graves. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Odebrecht contou ao Tribunal Superior Eleitoral, que Lula gerenciava a “conta corrente” de R$150 milhões aberta pela empreiteira para o PT.

As revelações de Odebrecht explicam o desespero de Dilma para nomear um ministro do STJ que o soltasse, segundo denúncia do MPF.

A Lava Jato será resumida, no futuro, como o escândalo em que dois presidentes da República trataram pessoalmente de dinheiro sujo.

As revelações de Odebrecht mostram como foi preciosa sua delação premiada para esclarecer e incriminar a quadrilha que governou o País.

Policial : POLÊMICA
Enviado por alexandre em 24/03/2017 00:37:46


Delegados federais estão preocupados com projeto de abuso de autoridade
Como está, proposta trará prejuízos à sociedade, diz categoria


Segundo os investigadores, a proposta, caso colocada em prática, pode causar embaraços ao “pleno funcionamento das instituições de combate ao crime organizado e à corrupção” (Foto: ASCOM/ADPF)

Reunidos no VII Congresso Nacional dos Delegados de Polícia Federal, promovido pela Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), os delegados federais manifestaram preocupação com a possibilidade de aprovação ao Projeto de Lei do Senado (PLS) 280/16. Segundo os investigadores, a proposta, caso colocada em prática, pode causar embaraços ao “pleno funcionamento das instituições de combate ao crime organizado e à corrupção”.

“O projeto, que prevê atualização dos crimes de abuso de autoridade, é polêmico e precisa ser melhor debatido, com calma e tranquilidade, buscando o bem do país, e não no calor dos acontecimentos, o que pode resultar em prejuízo enorme para a sociedade”, afirmam os delegados em nota divulgada após o encontro.

Ontem, o senador Roberto Requião (PMDB-PR), relator da proposta no Congresso, entregou seu relatório à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), última instância antes do projeto ser levado ao Plenário para votação. Requião disse que fez apenas uma modificação em relação ao seu primeiro relatório, para impedir o que chamou de “embargo de gaveta”, que passaria a ter que ser justificado por promotores e juízes

“Vale ressaltar que não há abuso de autoridade que já não esteja previsto em lei. O Brasil precisa, na verdade, de instituições fortes nesse momento de aumento da violência, em que a sociedade resolveu dar um basta à corrupção”, completam os delegados federais sobre o projeto. (AE)

Regionais : ARR apresenta programação da 38ª Expojipa
Enviado por alexandre em 24/03/2017 00:31:44

ARR apresenta programação da 38ª Expojipa

O presidente da Associação Rural de Rondônia (ARR), Sérgio Ferreira realizou no Parque de Exposições Hermínio Victorelli, uma coletiva com a imprensa para apresentação da programação da 38ª Expojipa - Exposição Agropecuária, Industrial e Comercial de Ji-Paraná, que acontece de 12 a 16 de julho, em Ji-Paraná. Entre as novidades apresentadas: a redução de nove para cinco dias de feira e a incorporação do Circuito Intercorte na Expojipa, que é o mais consistente evento da cadeia produtiva da carne bovina brasileira, como foco em sistemas de produção para qualidade de carne.
“Hoje oficialmente demos o ponta pé inicial da Expojipa 2017. Havia um anseio muito grande sobre a programação desse ano, mais hoje já tornamos público. Os contratos já estão assinados, shows definidos e rodeios e palestras organizadas. A redução dos dias da feira, não tirara o brilho do evento”, garantiu Sérgio Ferreira, presidente da ARR.
Sérgio destacou ainda que à Associação Rural de Rondônia, não é só Expojipa, disse que existem outras ações realizadas no decorrer do ano que foram decisivas para setor do Agronegócio defendidas pela ARR, com destaque ao combate das pragas de cigarrinhas nas pastagens; redução dos conflitos agrários, audiências para debater a desvalorização da arroba do boi e a defesa da criação da patrulha de Policiamento Rural.
“Esse ano, incorporamos o Circuito Intercorte com dois dias de palestras. O evento acontece em cinco estados brasileiros e há cinco anos acontece em Ji-Paraná. “Nos dias 12 e 13 teremos a abertura; lembrando que esse evento foi incorporado pelo Canal Terra Viva, com iniciativas que contribuem para disseminar informação, conhecimento, discussão e tecnologia aos produtores para melhor aproveitamento do mercado em que estão inseridos e busca aproximar consumidores de carne em diversos locais do Brasil”,explicou.

Programação da Expojipa

Para edição de 2017 serão cinco shows: Simone e Simaria dia 12; Kleber e Kauan dia 13; Chitãozinho e Chororó dia 14, Felipe Araujo dia 15 e Marcos Alexandre no dia 16 no Domingo Solidário com renda revertida a Apae e ao Grupo de Apoio aos Portadores de Câncer de Ji-Paraná. “A parceria com a Associação Rural é imensamente proveitosa para o Grupo de Apoio aos Portadores de Câncer de Ji-Paraná (Gapc). Nós precisamos dessa ajuda, e eles da ARR estão sempre prontos á nos ajudar”, declarou Geórgia Lucena, presidente do Gapc. “É uma ação que nos enche de felicidade. Ficamos felizes com ARR por incluir a APAE nesse evento, através do domingo solidário”, agradeceu Maria José, diretora da APAE.
A programação apresentada em coletiva com a imprensa destacou ainda, o Show de prêmios com sorteio de três veículos; Leilão três Fronteiras com Rondônia, Acre e Mato Grosso e um leilão virtual, que no ano passado comercializou mais de cinco mil animais. Os representantes da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Rondônia (Emater), José De Assis, gerente Regional e o superintente Amâncio Estevão, destacaram a parceria da ARR na realização do Concurso Leiteiro. “Nossa expectativa é muito grande com esse concurso. No ano passado foi um sucesso e esse ano acredito que será melhor ainda com produtores de toda região central do Estado”, declarou Amâncio Estevão, superintendente da Emater.
São esperados para o evento desse ano, um público superior a 200 mil pessoas no parque de exposições, com passaporte que será comercializado por somente 100 reais o primeiro lote. A Expojipa contara ainda Baile, amostra de reprodutores com melhoramento genético; concurso de escolha das Rainhas e Princesas da Expojipa; Rodeio Cowboy de Aço e Profissional
“A Expojipa é uma festa tradicional em nossa cidade. Uma tradição desde 1978 que todos os anos injetam milhões em nossa economia. Sempre participei e continuarei participando”, comentou o presidente da Câmara Municipal, Afonso Candido.


ASCOM

Regionais : PRF realiza maior apreensão de entorpecentes ja vista no Posto regional - 317 kg
Enviado por alexandre em 24/03/2017 00:29:20


Durante o trabalho de rotina no Posto da Policia Rodoviária Federal em Ariquemes ao darem ordem de parada ao condutor de uma carreta bi trem que seguia sentido Vilhena na Rodovia para checagem de documentação e situação da carga descobriram que na carreta estava sendo transportada uma grande quantidade de substancia entorpecente aparentando ser cocaína, foi dado voz de prisão ao condutor e os procedimentos realizados que os direitos constitucionais do mesmo fossem preservados.

Aos PRF ele disse que não sabia que a droga se encontrava na carreta e teriam carregado em Porto Velho com destino a São Paulo, informando ainda que não teria acompanhado o carregamento e que alguém já o estaria esperando lá no destino.

Totalizando aproximadamente 300kg avaliada em dois milhões de reais. Esta é a maior apreensão de drogas já realizada na região do Vale do Jamari, após os procedimentos burocráticos o condutor foi apresentado às autoridades que irão dar prosseguimento nas investigações.

MAIS INFORMAÇÕES NA PROGRAMAÇÃO DA REDETV ARIQUEMES

(1) 2 3 4 ... 11059 »